Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

Rei Momo, carnaval e cinzas

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 07/02/2012 Colunista: Carlos Pinto
“Carnaval desengano, deixei a

dor em casa me esperando,

e brinquei e dancei e fui

vestido de rei, quarta feira

sempre desce o pano.”

(Chico Buarque)

Até que me provem o contrário, o Bairro Chinês onde nasci é o precursor dos blocos e dos corsos de carnaval em Santos. Desde pequeno me acostumei a frequentar os ensaios e desfiles dos “Babys do Jardim da Infância”, bloco tradicional do bairro, que venceu durante dez anos seguidos o carnaval santista. Seu porta-estandarte era o Pescadinha, grande boêmio da noite santista e considerado o maior pé de valsa dos salões de baile da cidade.

Mas as coisas evoluíram e vieram as grandes escolas de samba, como a pioneira X-9 e a Brasil, que foram dando passagem a outras grandes agremiações como a Império do Samba, de Mestre Dráuzio, a Mocidade Independente de Padre Paulo, nascida de um trabalho comunitário do Padre Paulo Horneaux de Moura, recentemente falecido. E nasceram: a Príncipes Negros da Areia Branca, Unidos dos Morros, União Imperial, Real Mocidade, Bandeirantes do Saboó, Unidos da Zona Noroeste, Metropolitana, Vila Nova que hoje é a Império da Vila, e assim o carnaval de Santos vai seguindo seu rumo.

Durante a segunda metade dos anos oitenta a cidade teve oportunidade de assistir grandes desfiles dessas escolas, na passarela montada na orla do Gonzaga. Posteriormente houve um recuo em função de equívocos, e chegamos ao ponto de ficar seis longos anos sem qualquer desfile. Com a eleição do Prefeito Papa foi construída a atual passarela na Zona Noroeste, e a partir de 2006 as escolas de samba retornaram com seus desfiles para alegrar o carnaval de rua da cidade.

Além desses desfiles foi criado em 2001 o Carnabonde, com a proposta de relembrar os velhos carnavais e corsos do centro histórico de Santos. Em cada uma dessas realizações foram homenageadas antigas agremiações carnavalescas, como é o caso do Bloco Agora Vai, dos Chineses do Mercado, Dengosas do Marapé, Bloco das Esmeraldas, Bloco da Taba, Babys do Jardim da Infância, entre outras. Este ano o Carnabonde vai homenagear o Bloco das Misses, uma das agremiações mais tradicionais dos velhos carnavais.

Teremos ainda o desfile de setenta bandas carnavalescas, em seus bairros de origem, bailes de carnaval nas tendas com três matinês infantis e quatro noites de folia, e o desfile das escolas campeãs que serão realizados nos bairros onde estão sediadas. Antes disso chegaremos na quarta feira de cinzas, quando os jurados terão suas notas reveladas, e ficaremos sabendo dos resultados finais do desfile das nossas escolas. Aos poucos a cidade vai retomando seu contato com as programações carnavalescas, que foram defenestradas do nosso calendário sem motivo aparente.