Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

Abstenção: um recado dos eleitores?

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 23/10/2012 Colunista: Carlos Pinto

 “E sempre é bom termos consciência

de que dentro de nós há alguém

que tudo sabe, tudo quer e age

melhor do que nós mesmos.”

(Hermann Hesse)

Uma rápida análise sobre os índices de abstenção observados nesta última eleição, nos leva a crer que, em breve, teremos a aplicação do voto facultativo. Um singelo recado dos eleitores, que não estão satisfeitos com a conduta de vários políticos, muitos dos quais envolvidos em mensalões, mensalinhos, compra de votos, nadando em cachoeiras, e valendo-se de todos os artifícios para faturar uma grana extra, além dos bons salários que recebem como nossos representantes.

A Baixada Santista que é composta por nove municípios e possui 1.274.591 eleitores, em torno de 350.564 rejeitaram os candidatos através da abstenção e votos nulos ou em branco. Quase 28% dos eleitores deixaram de acreditar em algum dos candidatos. É como se todos os eleitores de Santos resolvessem não sair de casa nesse dia. Em Mongaguá, mais de 55% deram seu recado não votando em ninguém. Em Bertioga esse índice foi de pouco mais de 42%. Em Guarujá essa rejeição foi de 22%, enquanto que em Cubatão, 24% dos eleitores também não escolheram ninguém. Em Praia Grande esse índice foi de 30.5%, enquanto que em São Vicente esse índice foi de 27.8%.

Em Santos, com um colégio eleitoral de 329.643 eleitores, a rejeição aos candidatos foi de 79.554 (24.1%) aptos a votar, que simplesmente não compareceram e boa parte dos que o fizeram, anularam ou votaram em branco. Mas esse quadro pode ser verificado em outras cidades de nosso Estado. Na Capital, cujo colégio eleitoral é de 8.619.170, se abstiveram em torno de 18.48%, se somados aos nulos e brancos poderemos chegar a uma ausência talvez superior a dois milhões de eleitores. Em Franca a abstenção atingiu 16.67% dos seus 224.031 eleitores, já em São Carlos essa abstenção atingiu 16.84% dos seus 168.809 cidadãos aptos a exercer o seu voto.

Em Ribeirão Preto, 19.71% dos seus 419.435 eleitores não passaram pelas urnas, enquanto que em Campinas esse índice foi de 19.52%, sobre um colégio eleitoral de 785.274. Já em Presidente Prudente esse índice subiu para 20.88%, para um contingente de 160.790 eleitores aptos a exercer seu direito de escolha. Se nessas cidades do nosso interior, forem somados os votos nulos e em branco, teremos um quadro total dos cidadãos que resolveram não mais acreditar em tantas promessas, sabedores que são que nem todos os candidatos, ou sua maioria, não as cumpre.

Isto nos inclina a profetizar que o país caminha célere para o voto facultativo. Situei aqui alguns municípios, mas quem se detiver a fazer uma análise completa de todos os municípios brasileiros, não vai encontrar nos demais municípios, resultados distantes dos aqui situados. O povo está cansado de ser traído, de ser furtado, de ser enganado por carreiristas e oportunistas sempre de plantão, ansiosos por agarrar um cargo público a fim de se locupletar à custa de nós, incautos eleitores. Os altos índices de abstenção, somados aos votos nulos e em branco são um sinal de alerta. Um recado aos que se elegeram: ninguém aguenta mais tanta corrupção.