Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

Os modernos salteadores

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 09/01/2015 Colunista: Carlos Pinto

“Não são as ervas daninhas

que matam a boa semente,

mas sim, a negligência do

camponês.”

(provérbio zen)

 

Alguns pensadores sempre se referem ao fato de que a história dos povos se repetem, e não poderia ser diferente com o Brasil. Nossos primeiros colonizadores foram os degradados que Portugal abandonou na nova terra descoberta, entre eles, um, João Ramalho, que ajudou na colonização do litoral paulista.

 

Tivemos os salteadores da idade média, que assaltavam carruagens e as vilas em formação, logo seguidos mais adiante pelos bandidos retratados na história do velho oeste americano, que depenavam as diligencias e seus ocupantes, praticando toda serie de barbaridades. Foi a época da corrida do ouro e da formação de várias cidades americanas, que resistiram a esses tempos e estão até hoje em evidência.

 

Posteriormente surgiram criminosos mais sofisticados, os famosos “gangsters”, entre os quais tivemos Al Capone e Carlo Gambino, este imortalizado na série cinematográfica “O Poderoso Chefão”, elaborada através do livro de Mario Puzzo. Operando no tráfico de drogas, na prostituição, na venda de proteção e no jogo, foram se modernizando e passando a atuar em empresas legais, para a lavagem do dinheiro arrecadado nas operações clandestinas.

 

Os nossos modernos salteadores aprimoraram as técnicas desses criminosos da máfia ítalo-americana, e montaram esquemas para saquear as empresas governamentais, os ministérios e tudo mais que estivesse ao alcance de suas mãos. Através de licitações pouco edificantes, surrupiaram bilhões de reais dessas empresas, em conjunto com empresários cujo caráter e amor à Pátria simplesmente inexistem.

 

E tal pratica está espraiada pelos governos estaduais e prefeituras, em uma avalanche de denúncias que assustam até os monges budistas. Não há um só dia em que não surja no noticiário, um novo escândalo financeiro, onde políticos de má formação estão envolvidos. Porém a culpa não é só desses políticos safados e gatunos. Tiveram cumplices em suas eleições, pois receberam polpudas votações por parte de eleitores desavisados, desinformados e ávidos por continuar a receber gratuitamente as benesses de um governo corrupto.

 

Razão pela qual, entendo que essa corja de políticos de má formação, nada mais representa do que o espelho da nossa sociedade, ainda vivendo sobre a ótica da Lei de Gerson, ou seja: levar vantagem em tudo. Ledo engano. Para esse tipo de eleitor, sobram apenas as migalhas que porventura caem da mesa farta do poder. Votam mal e jogam na vala comum o futuro de uma nação, e de sua sociedade. Se acostumam com essas migalhas, desde que não precisem trabalhar ou produzir em favor de uma sociedade mais justa, mais fraterna e igualitária.

 

Que 2015 traga um pouco de luz para iluminar as cabeças dos brasileiros, com a finalidade de evitar um novo mergulho num mar de trevas. Se tal vier a ocorrer, não haverá razões para lamentações. Como diz um velho adágio popular, “cada povo tem o governo que merece”.