Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

O que a área cultural pode esperar?

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 24/01/2015 Colunista: Carlos Pinto

“Não creio ser um homem que saiba.

Tenho sido sempre um homem que busca,

mas já agora não busco mais nas

estrelas e nos livros: começo a ouvir

os ensinamentos que meu sangue

murmura em mim.”

(Hermann Hesse)

 

Além das mudanças que estão ocorrendo nos ocupantes de cargos oficiais da cultura, que mais podemos esperar? Em São Paulo permanecerá o mesmo Secretário, aquele que administra de costas para o interior. Não consegue sair da cadeira de seu gabinete, para, pelo menos, observar in loco a produção cultural do interior paulista. As ONGs vão continuar ditando as regras, fazendo o que bem entendem, transformando o dinheiro dos contribuintes em polpudos salários para os seus imensos quadros funcionais, a maioria constituída por parentes dos dirigentes.

Aqui em Santos, o imóvel da antiga Casa de Câmara e Cadeia, mais conhecido por Cadeia Velha, que sempre sediou a Oficina Cultural Pagú e, antigamente, a Delegacia Regional de Cultura, passa por reformas intermináveis. Coisa de dois a três anos, e pretendem transformá-la em um museu da Baixada Santista. E o que vão colocar lá dentro? Ninguém sabe. Sempre foi um espaço ocupado pelos artistas de Santos, que agora se movimentam na tentativa de retomá-lo. Será difícil, mas apoio sua luta para retoma-la.

O Ministério da Cultura passa a ser ocupado por Juca Ferreira, que por lá já esteve no final do mandato de Lula. Junto com Gilberto Gil, do qual foi Secretário Executivo, realizaram um bom trabalho de levantamento da situação cultural do país. A intenção era levantar esses dados, por sinal muito significativos, para elaborar um plano nacional para a área cultural, onde as grandes estrelas cedessem mais espaço para os artistas regionais. Esses estudos foram engavetados após a saída de Juca do MINC.

Afinal de contas, é inaceitável que um Jo Soares receba incentivos em torno de um milhão e meio de reais, enquanto os produtores regionais, do nosso interior, não consigam um centavo para suas realizações. A indicação de Juca Ferreira já recebeu os primeiros tiros de canhão, por parte de dona Marta Suplicy. Mas o que fez Dona Marta no Ministério, além de privilegiar costureiros famosos, seus amiguinhos da elite que tanto condena? Até desfiles em Paris foram privilegiados pela Lei Rouanet. É o caso de dizer: cala a boca Marta.

Aqui pela Baixada está prevista uma troca de comandantes na Secretaria de Cultura de Santos. Sai aquele que não disse a que veio, e espera-se que o novo ocupante, o professor Fabião tenha um mínimo de conhecimento da área. Se não destruir nada, já fará melhor que o que está deixando o cargo, cuja arrogância, empáfia e incompetência, colocaram o barco cultural de Santos perto de um naufrágio total.

É esperar para ver, pois 2015 nos reserva grandes surpresas. Esperamos que sejam de boa qualidade, pois de mentiras, incompetência e desonestidades, já estamos fartos. É aguardar e acompanhar.