Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » Horóscopo

Signo do mês: Escorpião

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 23/10/2015 Colunista: Silvia Helena Francisco

Nesta sexta-feira, 23 de outubro, às 15h46 o sol começou a caminhar no oitavo signo do zodíaco, Escorpião. Alguns se assustam com o signo, porque  representa uma fase de morte e transformação que deverá ser intensamente vivenciada. O seu tema, muitas vezes mal entendido, é a mudança profunda e definitiva. Esta mudança quase sempre temida e evitada a todo o custo só acontece após uma luta demorada e por vezes dolorosa. 

Neste segundo signo do elemento  Água, a vivência dos sentimentos é intensa, profunda e, muitas vezes, inconsciente. A Água Fixa de Escorpião é a que mais se apega aos sentimentos, procurando segurança, mas é também a que tem maior capacidade de transformá-los.

Numa primeira fase desse signo, que se chama a SERPENTE, estas capacidades podem ser usadas de forma defensiva e algo manipulador, tendo em vista a preservação emocional. Quando se atinge certa maturidade interior, que é a fase ÁGUIA já voamos, entendemos que é preciso buscar a essência espiritual e voltarmos aqui na terra para abastecer-nos. Estas características tornam-se os principais auxiliares da transformação. Quando o Escorpião compreende que não tem de estar sempre a defender-se, inicia a verdadeira descoberta de si mesmo: um ser em permanente mudança, a FENIX  representando a transformação total. Portanto um signo em constante mudança interna.

Os filhos de Plutão, seu regente  são, em sua maioria, os seres mais subjetivos e misteriosos do zodíaco, carregam em si, uma imensa carga emocional e possuem uma necessidade quase visceral de relacionamentos, que devem sempre ser profundos e significativos. Não se entregam com facilidade, mas quando isso acontece, costumam ser de uma lealdade e fidelidade sem igual. No entanto, são seres noturnos e as horas que antecedem o amanhecer são os momentos que eles carregam maior energia vital em seus corpos. Por isso sua luta é interna secreta e às vezes inconsciente - o guerreiro é aqui levado a confrontar e a transformar os seus demônios interiores.