Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

O centenário de Ivani Ribeiro

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 24/02/2016 Colunista: Carlos Pinto

“A arte da vida consiste

em fazer da vida uma

obra de arte. ”

(Indira Gandhi)

 

O dia 20 de fevereiro marcou o centenário de nascimento de Cleide Freitas Alves Ferreira, que todos nós aprendemos a admirar pelo nome artístico de Ivani Ribeiro. Renomada autora de telenovelas, Ivani Ribeiro nasceu em São Vicente, estudou em Santos, e mudou-se para São Paulo para cursar uma Faculdade de Filosofia. Nessa mesma época começou suas atividades no rádio, através da Rádio Educadora. Seu programa era voltado para canções do nosso folclore e para o samba, alcançando um bom público.

Criou alguns programas radiofônicos, tais como: “Teatrinho da Dona Chiquinha” e “As mais Belas Cartas de Amor”, demonstrando neste último, sua versatilidade como rádio atriz. Foi protagonista também no programa “Hora Infantil”, com poemas e músicas e radiofonizando filmes e novelas, onde já atuava como autora.

Trabalhou na Rádio Difusora onde atuou como cantora de canções folclóricas, com acompanhamento de uma orquestra. Transferiu-se posteriormente para a Rádio Tupi, para fazer parte do elenco dessa emissora. A partir de 1940, junto com seu marido, Dárcio Alves Ferreira, passa a fazer parte do elenco da Rádio Bandeirantes, onde lançou novos programas, entre eles “A Hora dos Neófitos”, voltado para calouros e público mais jovem.

Foi na Rádio Bandeirantes que, além de seu trabalho como atriz, passou a adaptar textos teatrais para diversos programas, entre eles o Teatro Romântico, que tinha por base poemas clássicos da literatura brasileira. Ainda na Rádio Bandeirantes, havia um programa cujo título era “Teatro de Ivani Ribeiro”. Trabalhou durante algum tempo na extinta TV Tupi, onde, em 1952 escreveu a série “Os Eternos Apaixonados”, transferindo-se depois para a TV Record, onde escreveu uma adaptação do livro “A Muralha”, e também a novela “Desce o Pano”. Retorna a TV Tupi e continua escrevendo radionovelas para a Rádio Bandeirantes.

A partir de 1960 passa a integrar o elenco da TV Excelsior, recém-inaugurada, onde pontificou como uma das redatoras do “Teatro Nove”. Sua primeira telenovela diária foi “Corações em Conflito”, que teve a direção de Dionísio Azevedo. Seus títulos de novelas são inúmeros, e com o fechamento da TV Excelsior retorna a TV Tupi, onde pontificou com a novela “Mulheres de Areia”. A partir de 1980 é contratada pela Rede Globo, onde vai se tornar nacionalmente conhecida pelos variados trabalhos em telenovelas.

Para homenagear Ivani Ribeiro, a Secretaria de Cultura de São Vicente, comandada por Amauri Alves, desenvolveu uma vasta programação cultural, ressaltando sua vida e sua vasta obra. Com uma seria insuficiência renal, provocada pela diabetes, Ivani faleceu em 17 de julho de 1995, deixando prontos dois trabalhos. A última telenovela intitulada “Quem é você? ”, exibida em l996, e a minissérie “O Sarau”, baseada em obra de Machado de Assis, que nunca foi levada ao ar. (Foto: Arquivo Globo/Divulgação)