Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

Luzes da ribalta

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 12/06/2017 Colunista: Carlos Pinto

 “Vidas que se acabam a sorrir,

luzes que se apagam nada mais.

É sonhar em vão tentar aos

outros iludir......”

(Charles Chaplin

A pantomima armada por alguns membros do Tribunal Superior Eleitoral, raia aos pastelões do início do cinema mudo, salvo as obras primas de Charles Chaplin. Só em um país onde o povo se porta como ovelhas a caminho da tosquia, é aceito um ministro de tribunal que está sendo investigado na Operação Lava Jato. Só em um país onde o povo para criminosos hediondos nas ruas, para fazer uma selfie, que se aceitam decisões do tipo desta assumida por quatro membros de um tribunal.

O espetáculo teatral a que se propuseram os membros desse tribunal, relembra uma ópera bufa, onde todos os brasileiros, atentos a decisão destes pândegos, já sabiam do resultado final. Quatro dias de um espetáculo ridículo, onde estes senhores se revezaram em filigranas jurídicas, cada qual querendo demonstrar mais saber, incluindo farpas e piadas sem qualquer classe, como a rir internamente de todo um povo que sofre com o desemprego, com a falta de segurança, com a falta de atendimento médico, com uma educação de baixa qualidade e um cerceamento total aos bens culturais.

Tivessem um mínimo de vergonha na cara, cumpriam suas funções com ética e a dignidade que tais cargos exigem. Nem vou comentar as atitudes do Presidente do Tribunal, cuja figura patética, é um acinte a todos que professam o direito e a justiça. E as ameaças proferidas por um deles, aliás o que está sendo investigado na Lava Jato, em função de não terem permitido a entrada de seu filho, já que não estava trajado de acordo com o ritual observado nos tribunais.

Não quero nem adentrar o fato de que seria ou não, inoportuno afastar o Presidente da República neste momento. Entendo que cada um deita na cama que arma, e o Presidente tem pecados em seu caminho político que nunca foram objeto de uma investigação. Que o digam os obscuros caminhos trilhados na famosa compra de equipamentos de Israel, para a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Os asseclas que sempre nomeou para dirigir o Porto de Santos, foram useiros e vezeiros em praticar irregularidades, contando sempre com seu apoio, como é o caso de um cidadão chamado Marcelo Azeredo.

Nem vou comentar a passagem de Wagner Rossi, pelo mesmo cargo, e que agora está envolvido na escolha do jatinho da JBS, para que o Presidente pudesse fazer uma viagem de turismo ao nordeste. Enfim, o país está totalmente entregue a uma quadrilha que não deve nada ao PCC. A grande diferença é que o PCC não assalta as empresas estatais e nem os cofres públicos. Essa quadrilha que domina os poderes da República, é responsável por todas as mortes em hospitais por falta de um atendimento com um mínimo de dignidade. É responsável pela falta de formação de nossa juventude, pela péssima qualidade de nossa educação, e pela censura econômica que aplicam a produção cultural da nação.

É acima de tudo responsável pelos quatorze milhões de desempregados, e por levar a fome aos lares de milhões de famílias. Mas como diz um antigo adágio popular, cada povo tem o governo que merece, e nós merecemos passar por todos esses contratempos, até que a consciência popular resolva, por bem ou por mal, extirpar esse câncer que que se alastra pelo corpo da sociedade brasileira.