Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » De Olho na Política

Teatro em Festivais: entre Cádiz e Presidente Prudente

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 16/10/2017 Colunista: Carlos Pinto

 “Há dois tipos de pessoas:

as que fazem as coisas e as

que ficam com os louros.

Procure ficar no primeiro grupo:

há menos competição por lá.”

(Indira Gandhi)

 

O Festival Ibero-Americano de Teatro de Cádiz, em sua trigésima segunda edição a iniciar-se no próximo dia 20 de outubro, é um evento multidisciplinar com apresentações de teatro, dança, música e exposições de artes plásticas. Está em uma plataforma idônea na busca e consolidação das artes cênicas Ibero-Americanas. Contará este ano com a presença de espetáculos representativos de dez países, onde o Brasil não estará representado.

Ao todo serão dezessete grupos que estarão participando deste evento, cuja abertura, no Teatro Manuel De Falla, terá a apresentação do clássico “Fuente Ovejuna”, de Lope de Vega, representativa do barroco espanhol, pelo grupo TNT – El Vacie, da Espanha. Outro clássico da literatura mundial, será “Electra”, de Sófocles, encenada pela Companhia do Chapitô, de Portugal. Além da Espanha e Portugal, teremos grupos da Argentina, Uruguai, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Porto Rico e México.

Cádiz, é uma cidade lindíssima, banhada de um lado pelo Mar Mediterrâneo e, do outro, pelo Oceano Atlântico. Tem características parecidas com Santos, pois, além das praias, é uma cidade portuária muito bem administrada. Com mais de três mil anos de existência, preserva seus monumentos e imóveis antigos, exemplificados por suas muralhas, erguidas na tentativa de suportar as invasões dos mouros e fenícios.

A direção geral do certame é de José “Pepe” Bablet, e através dos anos o FIT recebeu vários prêmios, entre os quais a Medalha de Ouro de Mérito nas Belas Artes, em 2003, através da UNESCO. Vários outros festivais são filhos desta matriz, entre eles o Festival de Teatro de Havana (Cuba); o Festival Latino Americano de Manizales (Colômbia); o Festival Internacional de Teatro de La Paz (Bolívia); o Festival de Artes da Costa Rica e, o MIRADA – Festival Ibero Americano de Teatro de Santos.

Aqui, pela terra brasilis, temos em fase final de elaboração, a vigésima terceira edição do Festival Nacional de Teatro de Presidente Prudente. A Comissão de Seleção formada pelos profissionais, Sergio Ferrara, Cris Lozano e Denilson Biguete, partiu dos 445 projetos inscritos, para selecionar os dezessete espetáculos que participarão do evento.

O certame será realizado no período de 10 a 18 de novembro próximo, com a participação de grupos dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. No comando do evento, o Secretário de Cultura de Presidente Prudente, Fábio Nougueira, que com o apoio do novo Prefeito Municipal, dá continuidade a um belo e produtivo trabalho que vem sendo desenvolvido a vários anos. É forçoso reconhecer que a cidade de Presidente Prudente, ocupa hoje um lugar de destaque na produção e difusão cultural no Estado de São Paulo, diante da letargia dos demais municípios.

Ainda neste mês de outubro, a cidade viveu com intensidade a Feira de Livros, além da realização de outros eventos na área musical e teatral. Seu Centro Cultural Matarazzo, é um exemplo para todo o país, um exemplo de vontade política de realizar em favor da sociedade. Um exemplo que, infelizmente, não é assimilado e não tem servido de alerta para os demais prefeitos dos municípios paulistas.