Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » Desabafo do Samba

“Demorou, mas nasceu!”

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 06/07/2011 Colunista: Toninho Madrugada

Finalmente criaram a Liga das Bandas Carnavalescas de Santos. Seu primeiro presidente é o nosso companheiro Leandro Chadad  (X9) e o vice- presidente, o José Ricardo Diegues (União Imperial).

Com a representatividade da Liga, obviamente, deveremos ter uma maior organização em relação aos desfiles. Nós do mundo do Samba, gostamos de ter nossos desfiles, sempre com disputa através dos quesitos e seus  critérios básicos de julgamento, regulamento e suas imposições necessárias para a organização e o bom desempenho de nossas Escolas de Samba.

Amante do Samba que sou, desde que descobri a querida pioneira X9, quando ela tinha somente 13 anos de existência e eu apenas 11 anos de vida, moleque criado nas Casas Populares da Bacia do Macuco, (lá se vão 54 anos), levado pelos queridos vizinhos de rua (Rua N, hoje Rua José Inácio de Souza, atrás do Grupo Escolar Municipal Auxiliadora da Instrução) - ah que saudade- “seu” Augusto e dona Alice, ao Chalé da Tia Inês, na Rua Almirante Tamandaré, fico feliz quando um ramo do mundo do samba, do mundo da alegria, se organiza.

Era lá no terreiro do chalé que a Pioneira realizava seus ensaios e o reboque do Bonde 15 era suficiente para transportar todos os componentes até os locais dos desfiles. Hoje, um bonde não basta. É preciso mais que um bonde e ordem para botar o bloco, a banda, a escola na rua.

Atendendo a solicitação do Presidente Leandro Chadad, de apresentar sugestões para o crescimento das Bandas, que seja apresentado aos senhores responsáveis pelas bandas (democraticamente) os seguintes itens: Maior Banda; Melhor Uniformidade; Melhor Música: Melhor Organização; Mais disciplinada.

Isto posto, deverá ser criado um grupo de observadores (Julgadores) e a elaboração de critérios para o julgamento desses quesitos.

Desejando sucesso para o evento, só nos resta esperar que Ogum nos proteja e Oxalá nos dê Malême. AXÉ!