Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Colunas Impressas » Desabafo do Samba

Memória curta, jamais!

Voltar para listagem de colunas Inserida em: 06/10/2011 Colunista: Toninho Madrugada

Setembro é um mês chave para os Partidos Políticos lançarem seus pré- candidatos visando às eleições municipais de 2012. Será que os Sambistas eleitores lembram de alguns pretensos candidatos que já despontam por ai?

 Vou citar exemplos: no Carnaval de 1989, recém eleita, a ilustre Telma de Sousa, após quatro anos de sucesso do carnaval santista realizado pelo grande Mestre Lorde Girassol (Dr. Osvaldo Justo) em parceria com a UESBAS – União das Escolas de Samba da Baixada Santista, nos deu uma tremenda rasteira, com um retrocesso de mais de 20 anos de atraso, voltando nosso desfile para as odiadas “cordinhas” como era nos anos sessenta e setenta?

Ou, o inimigo número 1 do Samba, o ilustre Beto Mansur, que desrespeitando o Calendário Turístico de Santos cancelou, por 5 anos consecutivos, os desfiles das Escolas de Samba, fato esse, que por muito pouco não acabou, definitivamente, com as Escolas de nossa região? Os Sambistas começaram a migrar para Sampa e Rio, deixando nosso desfile, somente, (já que o tradicional Desfile de Dona Dorotéia – Vamos Furar Aquela Onda, assistia seu lamentável final) com as Bandas, sem remuneração e de fácil desenvolvimento em seus bairros. Beto Mansur assinava o atestado de óbito das Escolas de Samba.

Destarte, a finalidade deste comentário é única e exclusivamente com a intenção de acordar as memórias daqueles que de fato e de direito se dizem SAMBISTAS. Obrigado, com todo respeito, ao prefeito João Paulo Tavares Papa, que prometeu em 2005 e cumpriu até 2011, e com certeza, deixara pronto o carnaval 2012, para seu sucessor.

Sambista, reflita e pense muito bem em quem deverá substituir o “Papa”. Isto posto, só nos resta rogar a nosso Pai Ogum que nos proteja e que Oxalá nos dê Maleme. AXÉ!