Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Empresa contesta responsabilidade no Vale Verde em Cubatão

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2014-01-11 -15:55

Empresa contesta responsabilidade no Vale Verde em Cubatão

Nesta segunda-feira (13), às 10h, todos os concessionários e agentes envolvidos na questão do Vale Verde farão uma vistoria técnica na região, para definição de ações em curto, médio e longo prazos. Em decorrência das fortes chuvas e da falta de obra de modernização da rede de tubulação, a região do Vale Verde tem sido atingida por constantes enchentes.

A prefeita de Cubatão, Márcia Rosa (PT) se reuniu na última sexta-feira (10), com representantes da América Latina Logística (ALL) e da Ecovias, para tratar de obras de limpeza, manutenção e modernização da rede de coleta das águas da chuva no Vale Verde, um dos núcleos da Cidade mais atingidos pelo temporal ocorrido no início do mês. A prefeita cobrou da empresa ferroviária a modernização da tubulação existente sob sua área de concessão, ação contestada pela empresa, que anunciou a realização de serviços de limpeza e manutenção no local.

Preocupada com os transtornos causados pelas fortes chuvas deste período do ano, a Prefeitura tem realizado reuniões constantes com todos os agentes envolvidos no problema. Em recente encontro para tratar dos problemas específicos do Vale Verde, a prefeita Márcia Rosa ressaltou que a Administração vem realizando as ações de limpeza de canais e galerias, mas o problema se dá no escoamento na saída desse conjunto residencial, junto à rodovia Padre Manoel da Nóbrega. Concessionária da via, a Ecovias já está finalizando os serviços de sua responsabilidade, conforme acordado com o poder público.

A ALL se ausentou da reunião anterior, comparecendo somente no encontro de sexta-feira, por meio de seus representantes presentes, Marcelo Fiedler e Felipe Franco, manteve a sua posição de que não possui qualquer responsabilidade por obras de modernização da rede de tubulação - que possui mais de 50 anos e está defasada em relação à atual realidade da região. A ferroviária apenas comprometeu-se a realizar serviços de limpeza e manutenção do equipamento já existente.

A postura foi lamentada pela prefeita Marcia Rosa. "Temos diversos estudos técnicos que comprovam a responsabilidade da ALL. As tubulações embaixo da linha do trem estão subdimensionadas em relação ao volume de água do local, o que tem impedido a vazão pluvial. É preciso mais compromisso da empresa com a Cidade, uma postura mais social e humana, pois seus equipamentos têm apresentado problemas de manutenção e causado prejuízos aos cofres públicos e à comunidade", afirmou.

Os secretários e técnicos presentes demonstraram a responsabilidade da empresa e a falta de manutenção de diversos trechos de sua rede ferroviária dentro do Município, afetando também outros núcleos como Costa Muniz e Vila Esperança. "A melhoria da tubulação sob o trecho da ALL no Vale Verde é de próprio interesse dela, já que os alagamentos também prejudicam o transporte ferroviário. A limpeza e manutenção dos tubos atuais não resolverá o problema. É preciso uma ação mais efetiva", ponderou o titular da Secretaria Municipal de Planejamento, Adalberto Ferreira da Silva.

Definições - A chefe do Executivo definiu que um amplo relatório com a posição da Prefeitura e laudos técnicos, além da ata da reunião de hoje, será enviada ao Ministério Público, Procon, órgãos técnicos do Governo Federal e para a comunidade do Vale Verde, que também organiza ação de indenização pelos danos materiais decorrentes da enchente do último dia 4.

Além dos representantes da Prefeitura e ALL, participaram da reunião de sexta-feira, o diretor-superintendente da Ecovias, José Carlos Cassaniga, e o assessor de projetos especiais da mesma empresa, Paulo Rosa. Na ocasião ficou marcada para esta segunda-feira (13), nova reunião envolvendo todos os órgãos envolvidos na situação do Vale verde. (Fotos: Divulgação/Arquivo)