Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Operário e engenheiro caem de construção

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2014-02-25 -00:01

Operário e engenheiro caem de construção

Um operário e um engenheiro residente são as novas vítimas de acidentes de trabalho na construção civil da Baixada Santista. Sem óbito, a ocorrência foi nesta segunda-feira (24).

Só neste ano, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sintracomos), Macaé Marcos Braz de Oliveira, houve dez acidentes, um deles fatal.

“Isso representa a média de um por semana”, reclama o sindicalista. Nesta segunda-feira (24), o operário Valdemar Rodrigues dos Santos, 42 anos, caiu do terceiro andar de um prédio em construção, em Santos.

Antes dele, no mesmo prédio, esquina das ruas Rua Joaquim Távora e José Gonçalves da Mota, no bairro Marapé, caiu o engenheiro Marcos. O operário teve deslocamento em um músculo acima do fêmur.

O duplo acidente foi por volta das 15 horas. O barulho da queda do operário chamou a atenção de pessoas que passavam pelo local. Ele foi resgatado pelo Samu e removido ao pronto-socorro central.

No final da tarde, o trabalhador foi internado na Santa Casa de Santos, onde dois diretores do Sintracomos acompanham o caso. O sindicato apurou, de início, que o engenheiro teve luxação no braço.

Itanhaém - Em 5 de fevereiro, o trabalhador Victor Mariano Ferreira, de 28 anos, acidentou-se em Itanhaém e ainda está no Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande.

Dois dias depois, em 7 de fevereiro, centenas de trabalhadores de empreiteiras protestaram diante da portaria da Usiminas, em Cubatão, onde prestam serviços.

Com 55 cruzes negras, simbolizando o número de trabalhadores mortos na fábrica de aço desde 1993, eles participaram de ato ecumênico, entre 7h30 e 9 horas.

O óbito mais recente foi em 29 de janeiro, com o soldador Paulo Dias de Moura, 58 anos, da empreiteira Delta, após cair de uma plataforma de 30 metros.

OIT e Dilma - Macaé já levou o assunto ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e denunciará a sequência de acidentes à Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O sindicalista também comunicará o problema à presidente Dilma Rousseff e ao presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Antônio Skaf.

O sindicato tem realizado diversas reuniões de prevenção e medicina de trabalho. E desenvolvido uma campanha com o lema ‘Trabalhar sim, morrer não”.

Insegurança – O sindicato e empresas estão discutindo a questão da segurança dos trabalhadores.  “Apesar de algumas estatísticas mágicas afirmarem que o número de acidentes vem diminuindo, na construção civil, a realidade é assustadora, com inaceitável incidência de mortes e mutilações”, diz Macaé.

Preocupado com isso, o sindicalista promoveu reunião com as empresas, sobre o assunto, em 12 de fevereiro, na sede do Sintracomos, cuja diretoria tem visitado diariamente as obras.

Toda segunda-feira, os diretores se reúnem para avaliar os problemas de segurança e medicina do trabalho. O livre acesso do sindicato às obras é garantido pela convenção coletiva de trabalho.

Os representantes das empresas ouviram atentamente as ponderações do sindicalista, fizeram anotações e ficaram de resolver os problemas. Em breve, o sindicato proporá nova reunião.

Segurança - As seguidas mortes e mutilações por acidentes de trabalho, na construção civil, montagem e manutenção industrial, serão debatidas no sindicato, em 27 de março, uma quinta-feira, às 18 horas.

O engenheiro de segurança do trabalho Jansen Wagner Gallo, o presidente do sindicato, Macaé Marcos, e o técnico em segurança na Petrobras e professor universitário Samyr Barcot serão os palestrantes.

O debate será no auditório do sindicato na Rua Júlio Conceição, 102, Vila Mathias em  Santos, promovido pelo Sintracomos e Sinpolsan (sindicato dos policiais civis).

O sindicato convidará prefeitos, vereadores, representantes do Ministério do Trabalho, do MPT, INSS, autoridades, sindicalistas e trabalhadores para o simpósio, que tem apoio das centrais,  Força Sindical, UGT e Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST). Na foto, sindicato e trabalhadores protestam por segurança do trabalho no último dia, na portaria da Usiminas. (Texto: Paulo Passos; colaborou: Joca Diniz. Foto: Vespasiano Rocha)