Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Em greve, pessoal da Prodesan sai em passeata nesta segunda-feira

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2014-07-07 -00:27

Em greve, pessoal da Prodesan sai em passeata nesta segunda-feira

 

Uma passeata como há muito tempo não se vê na Av. Ana Costa, saindo da sede da Prodesan, na esquina com a AV. Francisco Glicério, até a Praça Mauá, com manifestação diante da Prefeitura.

Isso é o que a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sintracomos) programou para a manhã desta segunda-feira (7).

Segundo seu presidente do Sinmdicato, Macaé Marcos Braz de Oliveira, a concentração começará às 6h, e às 7h30, haverá assembleia para os 1.400 empregados, seguida, às 8h pela passeata em direção ao Centro Histórico.

Será o início da greve de dois dias da categoria, segunda e terça-feira, aprovada em assembleia na quarta-feira passada (2), com o auditório do sindicato lotado.

A Prodesan (Progresso e Desenvolvimento de Santos) é uma empresa de economia mista controlada pela Prefeitura e os trabalhadores estão em campanha salarial, com data-base em maio.

CET e PM  - Na sexta-feira (4), o presidente Macaé comunicou à CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) e à PM (Polícia Militar) os horários da assembleia e da passeata. A Prefeitura e a Prodesan também foram avisadas.

O sindicato publicou ainda comunicado oficial na sexta-feira, sábado e domingo, informando sobre a paralisação, cumprindo formalidade da lei de greve (7783-1989).

A categoria rejeitou reajuste salarial de 6,5% e cesta básica de R$ 90,00 embora tenha aceitado o vale-refeição de R$ 18,00. Na quinta-feira (10), após o feriado estadual de quarta, o pessoal voltará ao trabalho.

O presidente do Sintracomos tomou o cuidado de manter 30% do efetivo em atividade nas unidades de saúde, para não prejudicar o atendimento à população.

Em ‘estado de greve’ desde 13 de junho, o pessoal reivindica reajuste salarial de 10%, recusados pelo presidente da empresa, Odair Gonzalez, e pelo secretário municipal de gestão, Fábio Ferraz.

Rodoviários - O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Santos e região, Valdir de Souza Pestana, que tem representados na Prodesan, participou da assembleia e segundo ele,  os motoristas também estarão em greve e o sindicato cumpre as formalidades da legislação, acompanhando o que for decidido pelo Sintracomos, inclusive na passeata.

A categoria - Cerca de 650 empregados trabalham na limpeza de escolas, policlínicas, centros de convivência, monumentos, túneis, feiras-livres e eventos festivos.

Mais: desassoreamento de canais, escoamento de águas pluviais, coleta de resíduos volumosos, triagem de lixo reciclável, assessoria de limpeza urbana e transbordo, transporte e disposição final dos resíduos.

A diretora do Sintracomos, Maria Bernardete, explica que, apesar de várias empreiteiras prestarem serviços para a prefeitura, “nenhuma se iguala, em qualidade e presteza, à Prodesan”.

Ela cita como exemplo a empreiteira que ficou de limpar o Museu Pelé um dia antes da inauguração: “A terceirizada simplesmente abandonou a tarefa e foi substituída eficientemente pela Prodesan”.

A sindicalista reclama, por outro lado, que os contratos da Prefeitura com a empresa de economia mista têm valores defasados e que precisa ser corrigidos.

Asfalto - Na usina de asfalto da empresa, a única da região atualmente a fornecer o produto para os nove municípios da Baixada Santista e Litoral, trabalham cerca de 250 pessoas.

Com a greve, a usina terá grande prejuízo, pois, atualmente, está produzindo cerca de quatro vezes mais que sua média mensal de três mil toneladas.

Isso acontece, segundo Maria Bernardete, porque as usinas da Terracom e da Intercement, que também atendem a região, estão interditadas pela Cetesb.

Em fevereiro, segundo ela, a Prodesan produziu 12 mil toneladas de asfalto e atendeu principalmente São Vicente e Praia Grande. Seus trabalhadores operacionais ganham piso de R$ 1.300,00.

Bernadete pondera que os salários dos demais 450 empregados dos setores de informática, gráfica, administrativo, transportes e outros “também estão baixos”.

Ela explica que o pessoal da Terracom, que presta serviços de limpeza à Prefeitura, da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) tiveram reajustes acima do proposto na Prodesan. Bernardete lembra ainda, que os funcionários públicos municipais tiveram reajuste salarial e aumento da cesta básica muito mais significativo do que o oferecido ao pessoal da Prodesan. (Redação: Paulo Passos. Foto da assembleia: Vespasiano Rocha)