Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Urnas revelam país dividido

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2014-10-26 -23:36

Urnas revelam país dividido

Um país dividido. Foi este o resultado das urnas deste 26 de outubro que confirmou a reeleição da presidente Dilma Rousseff pelo próximos quatro anos. Mas por um diferença de pouco mais de três milhões de votos. Até às 23 horas, a contagem do Tribunal Superior Eleitoral (TST) apontava 99,99% das urnas apuradas, com 51,64% para Dilma (54.499.706 votos) contra 48,36% para Aécio (51.041.003 votos).

Para um país de dimensões continentais como o Brasil essa diferença entre os votos de Dilma (PT) e Aécio Neves (PSDB) só amplia as desigualdades. Um exemplo marcante é que a proposta vitoriosa é calcada no assistencialismo defendido por Dilma, através de programas como o Bolsa Família.

E sintomaticamente aqueles que efetivamente pagam por estes programas votaram em Aécio para dizer que não apoiam mais esse modelo de governo. O que irá ocorrer nos próximos quatro anos é uma verdadeira incógnita, mas verdadeiramente as eleições deste ano racharam o País.

As projeções mais pessimistas apontam para o setor econômico, tendo em vista a estagnação do crescimento econômico e o retorno impiedoso da inflação que corrói os ganhos dos trabalhadores. A própria presidente Dilma reconhece os dilemas nesta área que ainda na campanha presidencial anunciou a demissão do ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Dividida ou não, fato é que a Nação terá que enfrentar o futuro e o que os brasileiros esperam é a retomada da melhoria da qualidade de vida; a busca pelo crescimento econômico; as reformas política e tributária que tanto se falam e o combate eficaz contra a corrupção. Não é admissível que dois grandes escândalos protagonizados por um Governo em continuidade, o Mensalão (Governo Lula) e o Petrolão (Governo Dilma) não tenham consequências maiores no plano institucional.

Encerrada a eleição e definida a soberana escolha do povo, a expectativa é que Dilma Rousseff se convença de sua imensa responsabilidade. Mesmo com o recado dos urnas, foi reeleita como presidente da República Federativa do Brasil, e não apenas de seus eleitores. Se assim não for, dos ansiosos avanços só nos restará o caos. (Redação - Eraldo Santos. Fotos - Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)