Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Manifestação contra o governo reúne povo na praça

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2015-03-16 -04:05

Manifestação contra o governo reúne povo na praça

Milhares de manifestantes protestaram contra o governo federal neste domingo e em Santos não foi diferente e a Praça do Surfista no Canal 1, foi o ponto de partida. A palavra de ordem no ato contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) foi  “fora PT”.

A concentração começou no início da tarde e duas horas depois a multidão se encontrava com manifestantes vindos de outros pontos da cidade, na Praça Independência no Gonzaga. Para todos os lados, um mar de gente gritando palavras de ordem, portando cartazes. A insatisfação dos manifestantes que representavam no ato, uma grande parcela da população brasileira contagiou  muitos que não deixaram seus apartamentos e casas que faziam coro às palavras de ordem e alguns mostravam cartazes e bandeiras do Brasil, do Santos Futebol Clube, do Corinthians e até da Ponte Preta.

As mensagens  nos cartazes definiam o clima do evento: pacífico. Enquanto centenas de cartazes continham mensagens contra o governo, contra a presidente Dilma, contra corrupção... e alguns poucos, mas que chamaram muito atenção,  pedindo intervenção militar. Outros pediam o impeachment da presidente.

Segundo a Polícia Militar, a manifestação reuniu cerca de 10 mil pessoas. Por volta das 18h30, o movimento ganhou novos sons, o de panelaço que era ouvido das janelas dos edifícios. Um grande buzinaço também se fez ouvir. É que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e o chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, durante a entrevista coletiva em cadeia nacional,  falam de respeito a todo tipo de manifestação e que o que estava acontecendo era uma manifestação democrática. O ministro da Justiça disse que o governo está aberto ao diálogo com a sociedade.

Nem tiveram tempo de concluir a fala e o panelaço e buzinaço se fizeram ouvir em vários bairros: Aparecida, Boqueirão, Campo Grande, Embaré, Gonzaga, Macuco e Ponta da Praia. Os discursos do ministro e do chefe da Secretaria-Geral da Presidência,  provocaram a mesma reação no território nacional. (Fotos: EA)