Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Homenagens marcam os 82 anos de luta do Sindaport

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2015-05-14 -23:58

Homenagens marcam os 82 anos de luta do Sindaport

Nesta quinta-feira, 14 de maio, o Sindaport (Sindicato dos Empregados na Administração Portuária) completa 82 anos. Para celebrar a data, a entidade fará uma sessão solene, às 20 horas. Durante a cerimônia será homenageado Dionísio Marques Amorim, associado que possui 50 anos de filiação sindical ininterrupta. Além dele, também serão agraciados o advogado e ex-portuário Nobel Soares de Oliveira e o ex-deputado federal Joaquim Del Bosco Amaral.  

O presidente do Sindaport, Everandy Cirino dos Santos (foto), ressalta que a tradicional homenagem aos associados é o reconhecimento pela confiança dedicada à entidade. Porém, ao contrário dos anos anteriores quando eram homenageados de 20 a 30 associados, neste ano apenas um companheiro receberá a placa comemorativa. “No início da ditadura militar, entre 1964 e 1965, sindicatos foram fechados, tiveram diretorias destituídas e sofreram intervenção federal. Como foi o caso do SINDAPORT. Por essa razão, foram poucos os companheiros que tiveram coragem para entrar em uma entidade sindical e filiar-se”, declara o sindicalista.

E é por lembrar desse período escuro para o movimento sindical que o sindicato vai homenagear o advogado Nobel Soares.
Nobel foi portuário e liderou a histórica greve dos portuários em março de 1980, a primeira paralisação pós golpe militar de 64. Por causa dessa grande mobilização e por combater a ditadura militar, foi demitido da antiga Companhia Docas de Santos. Ele também teve seus direitos sindicais cassados. Em 27 de março deste ano, foi reintegrado ao quadro de associados do Sindaport.

Outro homenageado da noite será o advogado e ex-vereador,  ex-deputado estadual e federal Joaquim Del Bosco Amaral, que sempre combateu a ditadura militar e durante sua carreira política atuou em prol dos portuários.

 História - O Sindaport foi fundado em 14 de maio de 1933, na sede do Sindicato dos Empregados no Comércio de Santos, com o objetivo de defender os direitos dos trabalhadores administrativos da então CDS (Companhia Docas de Santos), que em 1980 transformou-se em Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo).

 A primeira diretoria do Sindicato tomou posse 14 dias após a fundação da entidade, em 28 de maio de 1933, tendo como presidente Francisco Xavier Paiva Andrade.

 Durante 14 anos, o trabalho desenvolvido pelo sindicato ocorreu normalmente, sendo que em 1947, entre 09 de fevereiro e 17 de maio, sofreu sua primeira Intervenção Federal, sendo nomeada para o comando da entidade uma Junta Governativa, presidida por José de Lima Campos Filho. Nas décadas de 40, 50 e 60, devido ao poder de mobilização os sindicatos os sindicatos eram consideradas entidades “perigosas” pelo Governo. Qualquer sinal de greve ou “ameaça a ordem pública”, os sindicatos eram fechados e sofriam intervenção

Com o fim da primeira Intervenção, novas eleições foram realizadas. Porém, em 1950, novamente uma Junta Governativa assumiu a entidade. Passado o segundo período de Intervenção, o trabalho no sindicato voltou ao normal e novas eleições para a Diretoria foram realizadas. Mas, devido à greve geral dos portuários ocorrida no dia 1º de julho de 1955, a diretoria do Sindaport foi destituída e a entidade teve as portas fechadas durante nove dias. Após esse período, o sindicato sofreu nova intervenção. Foram quatro meses sob o comando de representantes indicados pelo Governo.

Com o fim de mais uma intervenção política, o sindicalista Jorge Pacheco dos Santos retornou como presidente do Sindaport, sendo eleito para mais uma gestão, 1957/1958. Entretanto, em 1º de abril de 1964, devido ao Golpe Militar e a queda do presidente João Goulart, a diretoria do Sindaport novamente foi destituída e mais uma vez o sindicato teve as portas fechadas. Foi nomeado Alberto Muniz, que ficou como interventor entre 02 de abril de 1964 e 03 de setembro de 1965. Após esse período, o sindicato voltou aos trabalhadores.

Atualmente o presidente do Sindaport é Everandy Cirino dos Santos, que está à frente do sindicato há mais de 15 anos. (Divulgação/Assessoria Sindaport)