Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Bertioga, uma joia que completa 24 anos de emancipação

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2015-05-19 -02:09

Bertioga, uma joia que completa 24 anos de emancipação

O município caçula da Baixada Santista, Bertioga completa nesta terça-feira (19), 24 anos de emancipação político-administrativa com extensa programação que inclui shows musicais, entrega de obras.

As comemorações se estendem por uma semana e o ponto alto, acontece nesta terça, às 9h, o desfile cívico-militar, na Av. 19 de Maio, com a participação de  mais de mil alunos das redes pública e particular do município e à noite, o show do cantor Lenine é um presente especial do Sesc Bertioga para a Cidade.

A Prefeitura programou uma série de inaugurações e serviços públicos em várias áreas como Saúde, Educação e mobilidade urbana.

Programação

Terça-feira (19)

8 h – Hasteamento das bandeiras (Praça dos Emancipadores – Centro)
9 h – Desfile cívico-militar (Avenida 19 de Maio – Albatroz)
13 h – Entrega de 10 novos ônibus do transporte público (Paço Municipal – Rua Luiz Pereira de Campos, 901 – Centro)                                                                                      20 h – Show  de Lenine no palco do Sesc Bertioga

Quarta-feira (20)
9 h – Reforma do Núcleo Apoio à Criança Especial (Rua Engenheiro Eduardo Correia da Costa Júnior – Vista Linda)
11 h – Núcleo de Educação Infantil Municipal Oswaldo Justo (Rua Engenheiro Eduardo Correia da Costa Júnior, 1.400 – Vista Linda)

Sexta-feira (22)
15 h – Polo Cultura Bairro Chácaras (Rua Engenheiro Eduardo Correia da Costa Junior, 45).

Sábado (23)
21 horas – Baile da Cidade (Pucci Riviera – Riviera de São Lourenço)

O programa de inaugurações teve início no último dia 15, com a entrega  da Base da Guarda Civil – Indaiá (Rua Eurico Massaro Matsutame, altura do nº 180 – final da Avenida Anchieta), Iluminação desportiva da orla no Rio da Praia (Rua Renato Faustino de Oliveira), Posto de Salvamento Marítimo – Boracéia e Base do Programa Praia Acessível (Praia de Boracéia na altura do bairro Morada da Praia), Terminal de Transbordo de Passageiros – Albatroz (Avenida 19 de Maio – Albatroz), Centro Cultural Jardim Vicente de Carvalho (Rua Oswaldo Cruz, 2.220) e Centro de Gerenciamento e Beneficiamento de Resíduos (Km 227, da SP-55 (Rodovia Rio-Santos – Sítio São João)

A agenda de shows começou no sábado (16), e já se apresentaram no palco montado na Praia da Enseada (Centro), em frente à Casa da Cultura, a banda Santa Geração, que tem como líder o pastor Antônio Cirillo, referência da música gospel do Brasil, a banda  de rock Hey Ladies, formada somente por mulheres. Também, o sambista Nego Branco e o pagodeiro Márcio Art (ex-vocalista e instrumentista do grupo de pagode Art Popular) e o cantor sertanejo Daniel que fez show na Praia da Enseada.

Joia da Baixada – Até o início dos anos 80, Bertioga, então Distrito de Santos era para mim, uma realidade distante que eu via apenas como caminho para o Litoral Norte, com paradas para comprar colares vendidos por índios à beira da estrada. Vez por outra, uma ida à praia que considerava selvagem devido à formação das altas ondas.

Um dia que não lembro qual, a semana, nem o mês, ano... quase certo, 1984, na redação do jornal Cidade de Santos, recebo uma pauta, para entrevistar o Administrador Regional de Bertioga, o jovem arquiteto José Mauro Dedemo Orlandini. Entrevista solicitada, aguardei dois dias a resposta, pois apreensivo, Orlandini resolveu consultar o então prefeito Osvaldo Justo se deveria ou não atender a jornalista.

Confirmada a entrevista, numa manhã, logo após a *reunião da madrugada que o prefeito Justo adotou como norma, para fazer ‘render’ o dia, estava lá, se não me falha a memória, no 3º andar do Palácio José Bonifácio (sede da prefeitura na Praça Mauá) sentada à frente de um jovem de rosto rubro e um tic nervoso evidenciado pelo intermitente balançar de pernas a partir do impulso alternado dos pés, que tentava esconder o nervosismo com as mãos entrelaçadas: Mauro Orlandini.

A essa altura, década de 80, com cerca de uma década no jornalismo, embora não estivesse, como ainda não estou, e possivelmente nunca estarei, preparada para algumas situações que surgem no dia a dia do repórter, procurei deixá-lo mais à vontade, falando sobre as belezas (que não conhecia) sobre Bertioga. Afinal a entrevista era sobre o local.

Já àquela época apaixonado por Bertioga, Orlandini começou a discorrer sobre o então distrito santista, cuja beleza, segundo ele só não era vista e sentida por     quem nunca a tinha visto. Empolgado, Orlandini esqueceu as mãos entrelaçadas, as pernas trêmulas e o rubor da face sumiu, tirou sua então inseparável jaqueta de couro (o calor era forte e não tinha sequer ventilador na sala) depositando-a  numa cadeira e concedeu sua primeira entrevista. Medindo as palavras, descreveu Bertioga como se fosse uma joia, dando origem à matéria que recebeu o título “Bertioga, uma joia a ser lapidada”.

Orlandini que nasceu em Batatais, interior de São Paulo. Em 1979 recém formado em arquitetura e urbanismo, chegou a Bertioga. Foi apresentado à política por Osvaldo Justo que o nomeou administrador regional, participou da luta pela emancipação de Bertioga conquistada em 1991. No ano seguinte foi eleito primeiro prefeito do novo município, administrando-o de 1993 a1996, voltando à Administração da cidade em 2009 e reeleito em 2012 está no seu terceiro mandato. (Noemi Macedo). Fotos: Divulgação

*Osvaldo Justo acordava às 4h da madrugada, às 5,  já estava na Prefeitura e no máximo, uma hora depois realizava reunião com o secretariado.