Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Greve pode deixar Mongaguá sem ônibus

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2015-07-06 -23:08

Greve pode deixar Mongaguá sem ônibus

Os 50 empregados da empresa Beiramar, que faz o transporte coletivo de passageiros em Mongaguá, com 20 ônibus, podem entrar em greve na próxima semana.

A advertência é do vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Santos, Baixada e litoral (Sindrod), José Alberto Torres Simões ‘Betinho’.

Isso porque a empresa, passados mais de dois meses da data-base de 1º de maio, não oferece contraproposta satisfatória para assinatura do acordo coletivo de trabalho.

O sindicato convocará assembleia da categoria, nos próximos dias, com base na lei de greve, e poderá levar a campanha salarial para dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP).

Acordos feitos - Os 170 empregados das empresas de transporte coletivo urbano de Peruíbe e Itanhaém, por outro lado, fecharam suas campanhas salariais na semana passada.

Em Peruíbe, a empresa Jundiá, com 15 ônibus e 60 empregados, concedeu 8,5% de reajuste e elevou o salário para R$ 1 562,40. O vale-refeição foi de R$ 13 para R$ 15.

Em Itanhaém, a empresa Litoral Sul, com 22 veículos e 110 trabalhadores, também fechou em 8,5% o reajuste, subindo o salário para R$ 1.859,22. No vale-refeição, ela aplicou 30%, passando-o para R$ 13.

Para Betinho’, as negociações “tiveram um ponto positivo além das questões econômicas. Reforçamos um canal de diálogo com as empresas para solução de problemas cotidianos que prejudicam os trabalhadores”.

“Esse foi um processo que iniciamos há alguns anos, na Piracicabana de Santos, Praia Grande e litoral sul, beneficiando bastante a categoria, principalmente nos relacionamentos com chefias”, diz o sindicalista.

*Na foto de Raimundo Rosa, o secretário ‘Ferrugem’, presidente Valdir Pestana e vice Beto Simões, do Sindrod, coordenam as campanhas salariais dos trabalhadores rodoviários de Santos e região