Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Reabertura da Ponte Pênsil tem protesto de professores

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2015-10-31 -00:45

Reabertura da Ponte Pênsil tem protesto de professores

Após 27 meses, a Ponte Pênsil, em São Vicente é reaberta ao trânsito. Com a presença do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), um séquito de políticos, especialmente do PSDB, compareceu ao evento realizado pouco antes das 11h, desta sexta-feira (30).

Com a liberação da ponte, a primeira ponte pênsil do Brasil, inaugurada em 13 de maio de 1915, a ligação entre São Vicente e Praia Grande e Litoral Sul será mais rápida, diminuindo o tempo de percurso, facilitando, inclusive, a vida dos habitantes dos bairros Prainha (Praia de Paranapuã) e Japuí. Antes e durante o período de obras o acesso entre esses bairros e com o município de Praia Grande, era realizado pela Ponte do Mar Pequeno num longo e inseguro trajeto.

Emoção – Sem dar bola às críticas pelo atraso da obra, o governador Alckmin se disse emocionado: "Estamos abrindo ao tráfego, a Ponte Pênsil, uma obra de grande valor para a engenharia brasileira. Esta é a primeira ponte pênsil do país. Quando ela foi projetada, nem concreto armado tinha. Esta ponte tem um grande significado para São Vicente, para a Baixada Santista e para todo país. Veja que a segunda ponte construída no Brasil, em Florianópolis, esta interditada. O restauro da Ponte Pênsil foi feito com segurança para os que transitam por ela. Foi separado também, passagem para o pedestre com acessibilidade. Nós estamos abrindo ao tráfego neste final semana em razão do feriado de finados", disse o governador. 

Não acabou - As obras de reforma da Ponte Pênsil começaram em 2013 e a entrega foi  seis vezes adiada. Apesar da reabertura, a obra ainda carece de atenção e de serviços. Detalhes na parte de acessibilidade e a conclusão do imóvel de dois andares, onde vai funcionar a nova base comunitária da Polícia Militar, no bairro Japuí, estão no pacote dos R$ 33,2 milhões gastos na reforma da ponte que incluiu recuperação da estrutura, troca de cabos e piso. Segundo o governador, tudo estará pronto no próximo mês (novembro).

“Os atrasos aconteceram porque não é uma obra comum, simples. São poucas pontes iguais no mundo e é preciso fazer com segurança. As 120 toneladas de cabo, por exemplo, vieram da Itália. Agora começam os últimos ajustes. Tudo estará pronto em novembro" explicou o governador Geraldo Alckmin, durante sua caminhada pela ponte.

Pela primeira vez, desde sua construção em 1914, a Ponte Pênsil teve seus 16 cabos de sustentação, que totalizam 256 metros de extensão, trocados. Para tanto, uma estrutura foi especialmente construída com o objetivo de manter os cabos provisórios até que o cabeamento definitivo, importado da Itália, fosse colocado. Durante a reforma, também foram realizadas obras para reparos das torres, troca do antigo tabuleiro de madeira para um piso menos escorregadio e pintura mais resistente à corrosão.

A Concrejato/Concremat é a empresa responsável pela obra, com a supervisão do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), órgão vinculado à Secretaria de Logística e Transportes.

Polêmica – Logo após a entrega da obra, o secretário municipal de Transportes, Raimundo Oliveira, criticou a decisão do Governo do Estado de não manter policiais militares constantemente nas cabeceiras da ponte, como antes. Raimundo se diz preocupado com a peculiaridade do local, porque no local, os semáforos determinam o tempo e quem está com direito à mão de direção, exigindo como sempre ocorreu, a presença policial mais forte, para evitar problemas. “Minha grande preocupação é que não teremos as viaturas nas cabeceiras como no passado. As viaturas da Polícia Militar ficarão em circulação, e não paradas. Eu peço encarecidamente que a Polícia Militar acate a nossa sugestão de colocar policiamento nas duas cabeceiras da ponte. Sei que é complicado e o efetivo não é grande, mas isto daqui, especialmente nos horários de trânsito mais intenso, pode virar o caos.”

Raimundo explica que os agentes de trânsito estarão atentos, mas eles não têm poder de polícia para coibir abusos e fura filas, por exemplo. “Nós vamos cumprir a nossa parte. Mas os nossos agentes receberão a orientação para que, no primeiro incidente que houver, deixem de atuar nas cabeceiras da ponte. Eu preciso cuidar dos meus profissionais”.

Cartão Postal – A Ponte Pênsil construída em dois anos (1912/1914) pelo engenheiro Saturnino de Brito, com objetivo de sustentar tubulações por onde passariam os esgotos de Santos e São Vicente para Praia Grande, logo se tornou cartão postal da Cidade, reconhecido internacionalmente. Construída com tecnologia alemã, cujo material que incluía cabo de aço foi encomendado à Casa August Klênne Dortmund, chegou ao Porto de Santos entre 1911 e 1913 é exemplo de solidez, pois como lembrou o governador, desde sua construção teve trocados pela primeira vez, os 16 cabos de aço que lhe dão sustentação.

*A obra original nos deu uma ponte suspensa por cabos de aço, com piso de madeira 6,5 metros acima da maré mínima e a 4 metros da maré máxima. Suas torres de sustentação atingem 20 metros de altura e suportam, cada uma delas, quatro cabos de aço. As torres têm, ainda, oito metros enterrados em concreto no solo.

É interessante lembrar que a ponte foi construída em apenas dois anos, numa época em que a engenharia não dispunha de tecnologia de ponta como ocorre na atualidade.

Protesto – Para evidenciar ao Governo do Estado, mais uma vez, o descontentamento pelo recente anúncio do fechamento de 94 escolas estaduais, 4 delas na região, o Sindicado dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP), e alunos ligados a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), fizeram um protesto com faixas e palavras de ordem.

Aos gritos de “governador fale a verdade, educação nunca foi prioridade", os manifestantes chamaram os políticos presentes (e não eram poucos) para falarem a respeito da decisão do Governo com relação ao fechamento de escolas, lembrando que  foram construídos mais de 50 presídios em detrimento de unidades escolares. Nenhum dos convidados aceitou o convite. (Fotos: Divulgação)

 

*Fonte: "São Vicente - 1532 a 1992¨" de Noemi Francesca de Macedo, lançado em 1992, em comemoração aos 460 anos de chegada de Martim Afonso a São vicente