Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Envolvidos na Operação Martim Afonso tem prisão temporária prorrogada

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2016-03-11 -21:40

Envolvidos na Operação Martim Afonso tem prisão temporária prorrogada

O juiz Rodrigo Barbosa Sales, da 3ª Vara Criminal de São Vicente, deferiu na tarde desta sexta-feira (11) o pedido do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, para prorrogar a prisão temporária de cinco dias de 17 dos 18 detidos na última segunda-feira, todos suspeitos de envolvimento na 'Máfia das Lotações'.

Na segunda foi deflagrada pela Polícia Civil a Operação Martim Afonso que investiga ilegalidades relacionadas ao transporte público do município. Os detidos são suspeitos de envolvimento na 'Máfia das Lotações', um esquema ilegal no setor de transporte público e com o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Entre os investigados que permanecem presos estão o secretário municipal de Assuntos Jurídicos, Sinval Braz de Moraes; o ex-chefe de gabinete da Subprefeitura da Área Continental e diretor da Secretaria de Transportes, Leandro Cofane Gonçalves, o vereador, Eronaldo José de Oliveira, o Ferrugem (SD), e Levi da Silva, apontado como cabeça do grupo e membro do alto escalão da facção.

Os depoimentos dos presos na operação, colocam, segundo informações, o prefeito Luis Claudio Bili (PP) foi apontado como suposto beneficiário do esquema. Na segunda-feira (7), os policiais apreenderam computadores e documentos na Prefeitura e na residência do prefeito Bili, que por gozar de foro especial não pode ser investigado diretamente pela Polícia Civil, razão pela qual o Ministério Público foi acionado por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça. O prefeito convocou a imprensa para uma coletiva na próxima segunda-feira (14), às 15h, no Salão Nobre da Prefeitura.

Entre os detidos que permanecem presos estão o vereador Ferrugem, o secretário municipal de Assuntos Jurídicos, Sinval Braz de Moraes; o ex-chefe de gabinete da Subprefeitura da Área Continental e diretor da Secretaria de Transportes, Leandro Cofane Gonçalves, e Levi da Silva, tido como membro do alto escalão da facção. Eles que junto com outros presos na ‘operação’ prestaram depoimentos no Palácio da Polícia e depois retornaram ao 5º DP (foto), na Zona Noroeste onde estão presos.

A prorrogação da prisão temporária tem prazo até quarta-feira (16). Dentro deste prazo, o delegado Lara espera obter mais provas e indícios da máfia para requerer a preventiva (sem tempo determinado) dos que considere efetivamente envolvidos no grupo. 

O delegado Lara, da DIG, informou que a pessoa beneficiada com a soltura é ligada à Cooperativa de Trabalho e Serviços de Transporte Alternativo de São Vicente (Cooperlotação) e considera ter recebido dela, informações importantes sobre o esquema, e que ela (a pessoa) vai aguardar em liberdade o desenrolar da investigação.(Foto: Divulgação)