Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Bili bate na mesa, diz que é inocente e vai acabar com a máfia

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2016-03-14 -22:28

Bili bate na mesa, diz que é inocente e vai acabar com a máfia

O prefeito de São Vicente, Luis Claudio Bili (PP) recebeu a imprensa na tarde desta segunda-feira (14), para falar sobre o escândalo que abalou a cidade na semana passada, a operação Martim Afonso, investigação da Polícia Civil com acompanhamento do Ministério Público no transporte alternativo da Cidade.

Dezoito pessoas foram presas, entre elas o secretário de Assuntos Jurídicos do Município, Sinval Braz de Moraes e o vereador Ferrugem. O nome do prefeito foi citado em depoimentos realizados na semana passada no Palácio da Polícia, como um dos beneficiários do esquema ilegal implantado por pessoas, segundo a polícia, ligadas à facção criminosa PCC – Primeiro Comando da Capital.

Bili que teve os computadores de sua casa recolhidos pelos policiais, afirmou inocência e pregou maior rigor no controle das catracas das lotações que circulam pela Cidade. Nesse primeiro posicionamento público desde a deflagração da Operação Martim Afonso, Bili que alternou o tom de voz várias no pronunciamento iniciando as frases em tom baixo, terminando-as, por vezes exaltado.

Acompanhado da advogada Ivete Maria Ribeiro, o prefeito afirmou que foi citado de forma indevida e que as informações distorcidas envolvendo seu nome foi usada na operação. “Eu sou inocente e a prova disso é que estou contribuindo com as investigações. Os policiais estiveram na minha casa e não encontraram e não vão encontrar absolutamente nada”, informando também que colocou o sigilo telefônico, bancário e fiscal à disposição da Justiça. 

Bili acreditar na inocência do preso desde o início das investigações. O prefeito também criticou o projeto de lei de autoria do vereador Pedro Gouvêa (PMDB), que será votado hoje e permite a continuidade do sistema nos moldes em que foi concebido. 

Citado em uma interceptação durante as investigações da Operação Martim Afonso, uma ação cautelar perante o Tribunal de Justiça de São Paulo foi instaurada para investigar a participação do prefeito Luis Cláudio Bili no esquema. A ação cautelar e o inquérito tramitam em segredo de Justiça.

Acabar com a máfia – O prefeito vicentino, na ocasião vestindo uma de suas inúmeras camisas sociais de cor lilás, disse que o principal objetivo do seu governo é acabar com qualquer máfia que possa existir envolvendo a Administração Municipal.

“Não sei se existe uma máfia. Não recebi, não recebo, nunca recebi propina em 24 anos de vida pública. Essa não é a minha índole”, ressaltou o prefeito que fez uma referência aos dois governos anteriores ao seu, quando disse: “. O transporte alternativo na Cidade foi criado há 19 anos e se o crime está envolvido, meu nome está sendo usado indevidamente. Ninguém vai conseguir provar absolutamente nada contra mim”.

O chefe do Executivo vicentino falou da necessidade de mudanças no funcionamento nas vans com a implantação de catracas e com acessibilidade, falando que a edição do decreto municipal com novas regras para o transporte coletivo dará início às mudanças.

“Após essa operação, eu pretendo, inclusive, convidar o Ministério Público para nos ajudar. Hoje o microempresário assume o compromisso com a Prefeitura de fornecer uma declaração de quanto ele recebeu e paga uma quantia determinada daquele percentual de arrecadação. Sem as catracas travadas e controladas, como podemos ter esse controle?” falou sem responder porque já não havia tomado essa providência.

Ao ser questionado sobre a prisão do secretário de Assuntos Jurídicos de São Vicente, Sinval Braz de Moraes, Bili disse que acreditar em sua inocência e espera que ele e os demais detidos todos tenham a oportunidade de se defender. “Mas se o inquérito incriminá-lo, terá que pagar por isso” concluiu. (Foto: Gilson Fabiano/colaborador)