Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Mais uma vez suspensa audiência pública da termelétrica em Peruíbe

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2017-09-29 -22:45

Mais uma vez suspensa audiência pública da termelétrica em Peruíbe

 Foi cancelada a audiência pública do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) para discutir a instalação da usina termelétrica em Peruíbe. Marcada para as 18h, desta quinta-feira (28), a reunião foi suspensa por falta do auto de vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) no prédio do Peruíbe Palace. Pelo mesmo motivo, a audiência havia sido cancelada em 17 de agosto.

Até o final da tarde, uma decisão do juiz Wilson Júlio Zanluqui garantia a audiência, desde que a empresa Gás Trading, responsável pelo evento, garantisse a segurança dos participantes. Pouco antes das 18h, o secretário executivo do Consema, Germano Seara
Filho, anunciou a suspensão pelo juiz substituto da 2ª Vara da Fazenda Pública na cidade, Bruno Nascimento Troccoli.

A suspensão da audiência foi proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE) e frustrou a caravana de sindicalistas, trabalhadores e a população de Peruíbe que apoia a construção da usina.

50 mil desempregados - Organizada pelo coordenador da Central Força Sindical na Baixada e Litoral, Macaé Marcos Braz de Oliveira, a caravana tinha sindicalistas e
trabalhadores de diversas categorias. Presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sintracomos), Macaé estava acompanhado por muitos químicos e portuários, entre outros.

“É oportunidade de emprego para a região. Se não for em Peruíbe, pode ser em outra
cidade”
diz o sindicalista argumentando a criação de 4.500 diretos e outros indiretos.

Macaé lembra que a construção do Aeroporto de Praia Grande, que também está para ser aprovado, com abertura de mais 15 mil vagas, junto com a termelétrica, resolveria boa parte do problema do desemprego. O sindicalista estima que a região tenha cerca de 50 mil desempregados.

“Ninguém é louco” - Macaé defende, entretanto, que o assunto seja “bem debatido, do ponto de vista ambiental, para que possíveis problemas nessa área sejam devidamente
avaliados. Ninguém aqui é louco de propor uma catástrofe no meio ambiente em troca de cinco mil empregos. Mas também não podemos ser frontalmente contrários apenas por ser”
. A construção tem custo estimado em R$ 5 bilhões, com previsão de funcionar a partir de 2023. (Foto: Vespasiano Rocha/Divulgação)