Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Bailarino cria grupo e incentiva dançarinas da Melhor Idade

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2018-08-01 -12:25

Bailarino cria grupo e incentiva dançarinas da Melhor Idade

 “Eu fui descobrindo que a terceira idade tem um potencial muito grande. Daí que começou essa ideia louca de subir no palco e competir. Falei pra elas vocês podem e eu vou estar junto com vocês”. Foi com esse sentimento que o professor de dança Nilton Costa criou, em abril de 2017, o grupo ‘Caminho da Fama São Vicente’. Desde então muitas mulheres têm a oportunidade de vivenciar o antigo sonho de ser bailarina.  

“Sempre gostei muito de dançar, desde pequena. Eu ficava em frente a televisão imitando os passos que as bailarinas faziam. Só que na época era difícil ser bailarina, e eu segui a vida. Mas aquilo ficou guardado em mim”, conta Maria Eliana de Araujo, integrante do grupo Caminho da Fama, que conta com 16 integrantes.

Não só as bailarinas da terceira idade tiveram o sonho resgatado. O fundador e coreógrafo do grupo passou pela mesma experiência. Desde criança sonhava em ser um grande bailarino, mas não teve o apoio da família e condições financeiras para pagar uma boa academia de dança.

“Tentei de tudo. Com 10 anos de idade consegui entrar em uma academia no Rio de Janeiro, onde dançava escondido da família. Com 20 anos mudei para São Paulo na tentativa de uma vida melhor”, conta Nilton.

Em 2001, Nilton prestou concurso em São Vicente e começou a trabalhar como gari. Realizava o trabalho com prazer, mas ainda sonhava em ser bailarino. Era comum vê-lo dançando pelas ruas da Cidade com a vassoura na mão. Foi só depois de 14 anos que num ato impulsivo, Nilton conseguiu um reconhecimento. “Parei em frente a um bingo que tinha o espelho bem grande, larguei a vassoura e comecei a dançar”, lembra o bailarino. Coincidentemente o prefeito da época passava pelo local e assistiu a apresentação. Viu o talento daquele gari e o convidou a dar aula de dança para crianças na Vila Margarida.

Tudo parecia bem, mas no ano de 2015, Nilton entrou em depressão devido a uma morte na família. Largou a dança e voltou a ser gari. Dois anos depois, quando a atual vice-prefeita e secretária de Assistência Social, Maria de Lourdes Oliveira, assumiu o cargo e fez o convite para o bailarino retornar as salas de aulas: “Quando nós assumimos o governo, eu falei: não posso deixar o Nilton de lado. E hoje ele é um grande sucesso pra gente”, conta ela.

“O Nilton é um ótimo professor” afirma a aluna Raquel Assis, de 97 anos.

Reconhecimento - Pouco tempo após a formação do grupo da Melhor Idade, as bailarinas já estavam competindo em festivais da Região. Em abril deste ano, elas levaram a coreografia ‘New York’ para o Festival Internacional de Dança H2Beach, realizado em São Vicente.  A apresentação foi aplaudida de pé e ganhou o primeiro lugar. Ao todo, o grupo coleciona quatro títulos.

“A gente já tem competição marcada para o final de setembro, em Cubatão”, afirma com entusiasmo a integrante Creusa Aparecida de Oliveira de Souza, de 67 anos.

Quando não estão próximas de alguma competição, as bailarinas do Caminho da Fama ensaiam em conjunto com outras alunas da terceira idade com o objetivo de incentivá-las a entrar no grupo.

As aulas de dança são realizadas as segundas, quartas e sextas das 14h30 às 16h30, no Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos do Parque das Bandeiras (Rua Um, 901).

Crédito e Fotos: Secretária de Comunicação PMSV