Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Fuga de presos ainda preocupa

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2020-03-18 -02:39

Fuga de presos ainda preocupa

          Dois dias após a fuga em massa de presos de Mongaguá e de outras quatro unidades prisionais do Estado, continua preocupando moradores da região.

           Até ontem (17), segundo a Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo (SAP-SP), a Polícia Militar tinha capturado pouco mais de 500 detentos evadidos dos presídios de Mongaguá, Mirandópolis, Porto Feliz, Sumaré e Tremembé que abrigam apenas presos em regime semiaberto.

           Nesse tipo de penitenciária os presos têm a possibilidade de sair para trabalhar ou estudar durante o dia e retornar à noite, e ainda têm direito a cinco saídas temporárias por ano.

            A rebelião segundo a SAP, ocorreu devido a suspensão das saídas temporárias devido ao surto do novo coronavírus. Um vídeo divulgado nas redes sociais mostrou mostrando a fuga dos prisioneiros do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) Dr. Rubens Aleixo Sendin, em Mongaguá, onde funcionários foram feitos reféns.

           Moradores da Baixada Santista, principalmente Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe e Praia Grande não escondem o medo como explica o contabilista Alfredo Borges de Jesus que reside em Itanhaém e trabalha na cidade, sede do presídio na região.

        “Já vivemos trancados em nossas casas com medo da violência. No momento vivemos um estado de medo porque não temos segurança, uma vez que bandidos dominam nosso direito de ir e vir, até o de ficar em nossas casas. Com a fuga de quase 400 presos só do presídio em Mongaguá, nem precisava os prefeitos falarem para as pessoas não irem para as ruas para evitar a contaminação do coronavirus. Quem puder fique trancado em casa, se não por medo do vírus, por medo dos bandidos” disse Alfredo de Jesus.