Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Santos terá cabines de acrílico para coleta de exame de Covid-19

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2020-04-22 -23:47

          Santos terá cabines de acrílico para coleta de exame de Covid-19

           As unidades de pronto atendimento Central e da Zona Noroeste recebem, nesta quarta-feira (22), uma nova aliada na proteção dos profissionais de saúde: a coleta dos exames para Covid-19 será realizada com o paciente dentro de uma cabine com estrutura em MDF e visor de acrílico transparente. Na última segunda-feira (20), a Secretaria de Saúde de Santos iniciou os testes dessa estrutura nas dependências do Pronto-Socorro Provisório da Zona Leste. O equipamento foi aprovado por promover mais segurança a quem realiza a coleta e economia de insumos.

       O paciente com suspeita de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, é encaminhado para dentro da cabine. Do lado de fora da estrutura, o profissional de saúde introduz apenas as mãos e realiza a coleta das secreções das narinas e da garganta do paciente. A cabine diminui a exposição do profissional de saúde e dispensa o uso de avental impermeável e protetores faciais, uma vez que o acrílico já cumpre a função desses equipamentos de proteção individual.

        As cabines são fruto da doação da T-Grão Cargo, terminal de granéis do Porto de Santos, com apoio da iAcrilicos, que forneceu a matéria-prima a preço de custo de fabricação.

        “É uma barreira bastante importante. Diminui a possibilidade de o profissional de saúde ser atingido por gotículas emitidas pelo paciente, principalmente se ele tossir ou espirrar no ato da coleta, além de ser ergonômica e não prejudicar o manejo preconizado para este procedimento”, destaca Christiane Porto, coordenadora do Pronto-Socorro Provisório da Zona Leste e do Hospital de Pequeno Porte Central.

          Outro benefício da cabine é a economia em materiais de limpeza e menor tempo para a higienização. Afinal, após a coleta para exame de covid-19, o local onde foi realizada precisa ser limpo. Ao se resumir a uma cabine, torna o processo mais rápido e com menos uso de saneantes.

        “Nos inspiramos em projetos feitos em Nova Iorque e desenvolvemos o nosso modelo. Após a validação da parte ergonômica, produziremos outras unidades para doação a Santos e a outras cidades”, afirma Vinicius Pina, presidente da T- Grão. (Divulgação/ PMS)