Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Greve de motoristas do pólo industrial começa na sexta-feira

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2013-06-02 -01:39

Greve de motoristas do pólo industrial começa na sexta-feira

Mais de 20 mil trabalhadores do polo industrial de Cubatão e cidades da Baixada Santista poderão ficar sem transporte coletivo para ir e voltar do serviço a partir de sexta-feira (7).

Isso porque, em assembleia na noite deste domingo (2), no Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários, os motoristas de fretamento e turismo decretaram greve.

Os trabalhadores voltaram a recusar a contraproposta do sindicato patronal (Sinfresan) para renovação do acordo coletivo de trabalho na data-base de maio.

A paralisação por tempo indeterminado, mobilizará 600 motoristas da Breda, a maior das 12 empresas do setor, e outros 1400 das demais.

A proposta recusada previa reajuste de 8% nos salários e na participação nos lucros ou resultados (plr). E de 12,5% no vale-refeição diário, que passaria a R$ 13,50. O salário destes trabalhadores é de R$ 1.591,00.

O sindicato patronal (Sinfresan) propôs também aumento da participação das empresas no custeio do plano de saúde, com a inclusão de mais um dependente no plano.

A assembleia aprovou quatro reivindicações para possível negociação com a empresa durante a semana: 30 tíquetes de R$ 14, 00, plano de saúde familiar, reajuste salarial de 10% e cesta básica de R$ 79,00.

As empresas envolvidas são Breda, São Bento, Caravella, Executiva, Romero, Alfretur, LF, Stylebus, Yelowtur, Poney, Ilhabela e Renalita.

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Santos e região, Eronaldo José de Oliveira ‘Ferrugem’ falou sobre o processo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

O sindicato publicará o edital de aviso aos usuários na terça-feira (4), com prazo de 72 horas  para deflagração da greve. Na quinta-feira (6), haverá nova assembleia.

Essa assembleia, segundo ‘Ferrugem’, analisará eventual contraproposta das empresas. E, no caso de não haver nova proposta, que seja aprovada, organizar a paralisação a partir do dia seguinte. (Texto: Paulo Passos. Foto: Vespasiano Rocha