Jornal Espaço Aberto

Página Inicial

Notícias

Operário portuário e estivador protestam no Centro de Santos

Voltar para listagem de notícias Inserida em: 2013-07-02 -16:09

Operário portuário e estivador protestam no Centro de Santos

Os dois maiores sindicatos do porto de Santos, Estivadores e Operários Portuários (Sintraport), protestam, no começo da tarde desta terça-feira (2), no Centro da cidade.

Mais de 150 homens estão na praça ao lado da Alfândega, na esquina com a Rua Brás Cubas, em frente ao prédio onde funciona o escritório da operadora portuária Embraport.

O motivo da concentração é o fato da empresa não ter requisitado as duas categorias ao órgão gestor de mão-de-obra (ogmo) para os serviços em seu terminal, na margem esquerda do porto.

Os presidentes e diretores dos dois sindicatos aguardam ser recebidos pela direção da empresa, enquanto o número de trabalhadores presentes aumenta, convocados pelas redes sociais.

Segundo o presidente em exercício do Sintraport, Claudiomiro Machado ‘Miro’, a empresa, “apesar de operar na área do porto organizado, se nega a requisitar as duas categorias”.

O sindicalista estranha “a alegação da Embraport de que adotou a medida com aprovação do governo federal. Será que chegamos a esse ponto?”. O protesto avança pela tarde.

A audiência dos sindicatos e das três federações nacionais de portuários (FNP, FNE e Fenccovib) com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, nesta segunda-feira (1), em Brasília, será um dos principais assuntos de assembleia conjunta dos trabalhadores da Codesp, na noite desta terça-feira (2), em Santos.

A Codesp, Companhia Docas do Estado de São Paulo, estatal federal que tem 1.450 empregados, todos reclamando da morosidade de implantação de um plano de cargos e salários. A assembleia será às 20 horas, no Sindicato dos Empregados na Administração Portuária (Sindaport).

A audiência com Gleisi Hoffmann, no final da tarde desta segunda-feira, contou também com a participação das centrais CUT, Força Sindical e CGTB. O assunto foi a regulamentação da nova lei dos portos (12.815, de 5 de junho de 2013).

O presidente em exercício do Sindicato dos Operários Portuários, Claudiomiro Machado ‘Miro’, que participou da reunião com a ministra de Dilma Rousseff, revela que a Codesp deverá implantar o realinhamento salarial dentro de 60 dias.

Ele informou, de Brasília, que o sindicato recebeu um ofício nesse sentido, na tarde desta segunda-feira, do presidente da Codesp, Renato Barco. Segundo o sindicalista, o documento será detalhado na assembleia conjunta desta terça.

Os codespanos, historicamente conhecidos por doqueiros, estão em estado de greve desde 24 de maio. Além do Sindaport, com 900 representados, e do Sintraport, com 300, também integram as categorias da Codesp os sindicatos dos advogados, administradores, contabilistas, trabalhadores em processamento de dados, desenhistas e jornalistas.

Capatazia - Amanhã, quarta-feira (3), às 9h, o Sintraport fará assembleia específica para os trabalhadores avulsos de capatazia, que também serão informados sobre a audiência em Brasília. Eles conhecerão ainda as propostas das empresas Transchem e Eldorado sobre operações com celulose. (Paulo Passos)